sexta-feira, 23 de Março de 2012

O NASCIMENTO DE MOISÉS E A PROVIDÊNCIA DE DEUS

Durante um seminário para casais, perguntaram a uma das esposas:
- 'O seu marido fá-la feliz? Ele a faz feliz de verdade?' Neste momento, o marido levantou os ombros, demonstrando total segurança. Ele sabia que a sua esposa diria que sim, pois ela nunca tinha reclamado de algo durante o casamento. Porém, a esposa respondeu com um sonoro 'NÃO', daqueles bem audíveis!

- 'Não, o meu marido não me faz feliz'! (Neste momento o marido já procurava a porta de saída mais próxima). 'O meu marido nunca me fez feliz e não me faz feliz! Eu sou feliz'. E continuou: 'O facto de eu ser feliz ou não, não depende dele; e sim de mim. Eu sou a única pessoa da qual depende a minha felicidade. Eu determino ser feliz em cada situação e em cada momento da minha vida, pois se a minha felicidade dependesse de alguma pessoa, coisa ou circunstância sobre a face da Terra, eu estaria com sérios problemas. Tudo o que existe nesta vida muda constantemente: o ser humano, as riquezas, o meu corpo, o clima, o meu chefe, os prazeres, os amigos, a minha saúde física e mental. E assim eu poderia citar uma lista interminável. Eu decido ser feliz! Se tenho hoje a minha casa vazia ou cheia: sou feliz! Se vou sair acompanhada ou sozinha: sou feliz! Se o meu emprego é bem remunerado ou não: eu sou feliz! Sou casada, mas eu era feliz quando era solteira. Eu sou feliz por mim mesma. As demais coisas, pessoas, momentos ou situações são 'experiências' que podem ou não proporcionar-me momentos mais ou menos agradáveis. Quando alguém que eu amo morre, eu sou uma pessoa feliz num momento de inevitável tristeza. Aprendo com as experiências passageiras e vivo as que são eternas como amar, perdoar, ajudar, compreender, aceitar, consolar. Há pessoas que dizem: hoje não posso ser feliz porque estou doente, porque não tenho dinheiro, porque faz muito calor, porque fui insultada, porque alguém deixou de me amar, porque eu não soube dar-me valor, porque o meu marido não é como eu esperava, porque os meus filhos não me fazem felizes, porque os meus amigos não me fazem felizes, porque meu emprego é medíocre e assim por diante. Eu amo o meu marido e sinto-me amada por ele desde o namoro e ainda mais depois que nos casamos. Amo a vida que tenho, mas não porque a minha vida é mais fácil do que a dos outros. É porque eu decidi ser feliz como indivíduo e responsabilizo-me pela minha felicidade. Quando eu liberto o meu marido ou qualquer outra pessoa dessa obrigação, deixo-os livres do peso de terem que me carregar aos ombros. A vida de todos torna-se muito mais leve. E é desta forma que consegui um casamento bem-sucedido ao longo de tantos anos. Apelo a todos os presentes a não deixarem nas mãos de ninguém uma responsabilidade tão grande como seja a de assumir e promover a vossa felicidade. 'SEJA FELIZ, mesmo que faça calor, mesmo que esteja doente, mesmo que não tenha dinheiro, mesmo que alguém vos tenha feito algo desagradável, mesmo que alguém não vos ame ou não vos dê o devido valor. Peça apenas a Deus que lhe dê serenidade para aceitar as coisas que vocês não podem mudar, coragem para modificar aquelas que podem ser mudadas e sabedoria para conseguir reconhecer a diferença que existe entre elas.

Ao lermos esta passagem de Êxodo 2:1-10, vemos que as circunstancias não eram de todo favoráveis a Joquebede e o seu marido Anrão pouco ou nada podia fazer para ajudar, ela não desanimou.
Era uma mulher temente a Deus, sabemos que os sacerdotes eram eleitos da tribo à qual ela pertencia. Mas sobretudo ela olhou o seu filho e a Bíblia diz que ela o “achou formoso”. Que mãe não acha o seu filho formoso? No entanto, há que reconhecer que esta palavra revela que era uma criança bela, forte e prendeu o coração da mãe.

Estou em crer que ela deve ter ouvido uma voz dentro do seu coração: “Eu escolhi este menino, tenho um projecto para ele!” esta palavra “formoso”está relacionada com inteligência, bênção de Deus. Actos 7:20-22.

Ninguém tem dúvidas que Joquebede teria protegido o seu filho de qualquer maneira. Sabe-se que as mães dedicam mais carinho a filhos débeis e doentes. No entanto estes esforços para proteger a vida de Moisés são elogiados em Hebreus 11:28 como sendo um acto de fé. Isto compreende que Deus o tinha destinado para um papel importante e que, por isso, interviria para preservar-lhe a vida.

Instruções de Deus: Deuteronómio 6:5-9
• V. 5 “Amarás”. Fala de uma relação do crente com Deus e esta baseia-se no amor (lembrar a história inicial). Ver também 1 João 4: 19 “Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro.” E o amor é o princípio fundamental da lei de Deus. Amar plenamente é obedecer de todo o coração (João 14:15; 15:10).
• Portanto a educação de Moisés recebeu na corte do faraó não o desviou do caminho que Deus tinha para ele.
• Do mesmo modo desejamos que os nossos filhos sejam formosos, fortes úteis e disponíveis para Deus.
O mundo em que Moisés foi criado, não era o melhor lugar para se viver. Os faraós desenvolviam um carácter cruel vejam Êxodo 1. Lemos que faraó deu ordem para afogar todos os meninos judeus no rio.

No nosso mundo hoje, predomina a violência – booling – morte, os reinos do mundo não reconhecem a soberania do Senhor.
Mas ainda que Moisés tenha nascido no Egipto, ele não pertencia ao Egipto.

Sim, os nossos filhos pertencem a Deus e à pátria celestial. Jesus disse. “…vós não pertenceis ao mundo…” João 15:19.

Lições para hoje tiradas da atitude dos pais de Moisés Joquebede e Anrão.

Os pais fizeram quatro coisas:
1 - Deram a Deus o primeiro lugar – Exodo 2:1 cf. Mateus 6:33 “Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.”
2 – Esconderam o filho no lar (Êxodo 2:2); o melhor esconderijo; a melhor cidadela; a melhor fortaleza.
3 – Colocaram-no numa cesta (arca) de junco, esta é um símbolo da segurança encontrada em Cristo.
- O rio é ameaçador, representava de algum modo a morte.
- Mas o menino Moisés estava a salvo.
4 – A sua irmã Miriam vigiava.
- Cuidar da segurança, bem-estar e salvação dos nossos filhos é dever dos pais, irmãos, avós, família e da comunidade.
- Devemos orar e vigiar pelos nossos amados.

Depois de Miriam ter sido fiel à sua tarefa, chegaram aos ouvidos da mãe cujo coração devia estar a pulsar acelerado num misto de esperança e temor, as boas-novas: “Leva este menino, e cria-mo, eu te darei o teu salário (Êxodo 2:9).
- Porém, ela não estava preocupada com a recompensa material. Ela ouviu naquelas palavras, uma mensagem de Deus: “Toma o teu filho, cria-o para Mim e eu te darei a tua recompensa.

“Os filhos são a herança do Senhor e Lhe somos responsáveis pela administração de Sua propriedade. ... Trabalhem igualmente os pais para a família com amor, fé e oração, até que possam ir a Deus com alegria e dizer: "Eis-me aqui, com os filhos que me deu o Senhor." Isa. 8:18. Parábolas de Jesus, págs. 195 e 196.

Sem comentários: